Atividades com alta demanda física podem ocasionar lesões

183
Foto por Jonathan Lessa

Responsáveis pela estabilização do joelho, os ligamentos ligam o fêmur à tíbia. Um dos principais é o Ligamento Cruzado Anterior (LCA). Essa estrutura pode ser lesionada, em especial, durante práticas esportivas. Os mecanismos mais comuns de lesão do ligamento, de acordo com o ortopedista Danilo Lobo, especialista em cirurgia do joelho na clínica Ortotrauma, ocorrem com rotação do joelho com o pé fixo no chão.

“Outro mecanismo possível é quando o atleta estica demais o joelho (hiperextensão) frequentemente, quando ‘fura’ uma bola e chuta no ar, ou mesmo quando salta e cai com o joelho esticado além do limite normal”, descreve o especialista. “No momento da lesão, geralmente é sentido um estalo acompanhado de dor no joelho, seguido de edema (inflamação) do joelho com dor para andar”, diz.

Segundo o ortopedista, esportes que necessitam de alta demanda física, como o futebol e o basquete, por exemplo, são os que possuem maior probabilidade de lesionar o LCA. Vale ressaltar que qualquer tipo de entorse do joelho que cause dores e desconforto deve ter avaliação médica adequada para correto diagnóstico e tratamento.

Além do exame físico, exames de imagem como radiografias e ressonância magnética podem ajudar o médico a confirmar o diagnóstico. Falando sobre o tratamento, o especialista esclarece que varia de acordo com as necessidades de cada paciente. “Atletas jovens envolvidos em esportes de agilidade precisarão de cirurgia para voltar à prática do esporte. Pessoas menos ativas, normalmente mais idosas, podem conseguir retomar estilos de vida mais calmos sem cirurgia”, afirma.

Doutor Danilo elucida que à medida que o inchaço diminuir, um programa cauteloso de reabilitação deve ser iniciado, e a fisioterapia é fundamental nesse sentido. “Exercícios específicos restaurarão as funções do seu joelho e fortalecerão os músculos que o circundam”, aponta.

Com relação ao tratamento cirúrgico, que visa reparar o LCA e recuperar a estabilidade do joelho, é necessário reconstruir o ligamento, substituindo-o por um enxerto de tecido do próprio paciente. Em geral, espera-se a cessação da inflamação e retorno dos movimentos antes de realizar a cirurgia. Feita através de um artroscópio por pequenos cortes, é menos invasiva diminuindo a dor e tempo de recuperação.

No caso de atletas, é necessário cerca de seis meses ou mais para voltar a praticar o esporte de impacto. A fisioterapia, essencial para a reabilitação pós-cirúrgica, será concentrada primeiro na recuperação dos movimentos da articulação e dos músculos ao redor dela, seguida por um programa de fortalecimento elaborado para proteger o novo ligamento. A fase final da reabilitação é dirigida ao retorno funcional, determinada conforme o esporte do atleta.



Editora da revista Viver!, uma das mais importantes revistas de saúde do país. A publicação Sul capixaba circula mensalmente há mais de 17 anos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *