Através da manobra de reposicionamento, é possível ficar livre da tontura

42

Leilanny L. de Almeida Zardo é Fonoaudióloga formada pela Universidade de Vila Vela (UVV), possui Título de Especialista em Fonoaudiologia do trabalho e Audiologia. Atua na realização dos exames de Audiometria, Imitanciotria, Emissão Otoacústicas (teste da orelhinha), Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico, Vectoeletronistagmografia e com Reabilitação Vestibular. Foto por Erika Medeiros

A tontura representa 5 a 6% das consultas médicas. Ela pode ocorrer em qualquer idade, mas se torna mais comum à medida que as pessoas envelhecem. As queixas variam de tonturas rotatórias, nas quais o paciente sente que o ambiente está rodando ou ele próprio está girando, a desequilíbrios variados.

“Essas tonturas afetam profundamente a qualidade de vida dos indivíduos, levando à perda da autonomia e independência, tendendo a sofrerem quedas constantes, não conseguindo andar na rua sozinhos e muitas vezes iniciando um quadro depressivo. Tonturas/vertigens precisam ser avaliadas e tratadas!”, afirma a fonoaudióloga Leilanny Zardo.

Leilanny salienta que a vertigem posicional paroxístico benigna (VPPB) é desencadeada por certas mudanças na posição de cabeça como tombamento da cabeça para cima ou para baixo. Raramente é grave.

A fonoaudiologia participa ativamente no processo do diagnóstico das alterações otoneurológicas, com os exames audiológicos, vestibulares e na reabilitação desse paciente. Em parceria com especialistas (otorrinolaringologista e neurologista), o fonoaudiólogo atua reabilitando os pacientes com a terapia (exercícios repetitivos) ou com as manobras de posicionamento, que contribuem bastante para o sucesso do tratamento, e melhora da qualidade de vida, conforme relata a profissional.

DEPOIMENTOS

“Desde o início da pandemia, parece que minhas tonturas pioraram muito, não podia nem deitar; Depois do exame feito pela doutora, fui diagnosticada com tontura posicional. Precisei fazer uma manobra e fiquei boa em cinco dias”

– Júlia Marvila, 42 anos.

 

“Cheguei no consultório chorando de tanta tontura. Dormia sentada… fui diagnosticada com tontura posicional. Fiquei com medo, mas fiz a manobra, hoje não sinto nada”.

– Elciane S. Souza, 39 anos.

“Todo ano sinto uma tontura que não posso deitar para o lado direito. Faço sempre uma manobra com a doutora, não preciso nem de revisão. Todo mundo que sofre disso, merece saber, me sinto livre!”

– Tatiane de Jesus Nobre, 51 anos.

Leilanny L. De Almeida Zardo atende na Rua Izidoro Babieri, 91- Centro, Cachoeiro de Itapemirim – Clínica Santè. Instagram: @clinicasante.cachoeiro. Telefone: 28 3522-7272 e 99919-7272.



Editora da revista Viver!, uma das mais importantes revistas de saúde do país. A publicação Sul capixaba circula mensalmente há mais de 17 anos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *