Como educar meninos para serem bons homens

40

A psicóloga Tatielly Baião Bonan – Foto por Mateus Baião

Por Tatielly Baião Bonan

Psicóloga

Se você tem filhos, aposto que se preocupa se os está educando da melhor maneira e tenta garantir que sejam felizes e se tornem boas pessoas. E se sobre você recai a missão de educar meninos, sua meta deve ser ajudá-los a se tornarem homens responsáveis, sensíveis, respeitosos e participativos. Embora não exista um manual que ensine completamente como criar filhos, algumas reflexões podem lhe ajudar.

Vamos começar pensando sobre o conceito de masculinidade. Se você diz ao seu filho “Menino não chora”, “Para com isso, parece mulherzinha”, “Fala direito, engrossa essa voz”, “Vai lá, desce o braço nele”, “Esse é macho mesmo”, pode estar contribuindo para que ele construa um estereótipo distorcido do que seja ser homem, e entenda que precisa, a qualquer custo, ser forte, corajoso, competitivo e superior às mulheres.

Ensine ao seu filho que ele não precisa ser bom em tudo e que o importante é fazer da melhor forma que conseguir. Assim, ele pode não ser tão bom no futebol, mas ótimo em xadrez ou em fazer bolos. Pensar dessa forma abre outra reflexão importante, a de que não existem brincadeiras ou atividades de meninos e meninas. Não tema que ele brinque com bonecas, pois é assim que se aprende desde pequeno suas responsabilidades futuras nos cuidados do bebê, acalentando, trocando as fraldas, dando banho, ninando…

Para que ele seja um homem participativo, o ensine desde cedo a manter a casa organizada. Essa responsabilidade lhe ajudará a ter mais autonomia e senso de participação. E para além de cuidar da casa, o ensine a cuidar de si, mostre o quanto é importante se alimentar bem e praticar esporte.  Essa consciência o ajudará a cuidar de sua saúde, e não fugir de médicos e dos exames de rotina.

Além de observar o próprio corpo, mostre para ele os limites e o respeito com o corpo do outro. Ensine que diante de um conflito, não é necessário agredir ou ameaçar, e que a solução está no diálogo. O ensine a demostrar afeto com carinho. Quando seu filho belisca ou puxa o cabelo de uma coleguinha, não diga que é porque ele gosta dela, ele deve entender que amor não se demonstra com violência.

Saiba que seu filho é como uma esponja que absorve tudo à sua volta. Portanto, busque sempre refletir sobre como suas ações impactam na vida de seu filho, e faça dele uma pessoa melhor para o mundo. Assim, teremos um mundo cada vez melhor.

Tatielly Baião Bonan é Psicóloga especialista em Psicanálise, Terapia cognitivo-comportamental, Terapia de família e Coach Parental (CRP 1314/16). O Family Care está localizado no Shopping Cachoeiro: Rua 25 de Março, 33, sala 212 – Centro. Telefone: (28) 99959-0650. Siga Tatielly no Instagram: @tatiellybonan

 

 



Editora da revista Viver!, uma das mais importantes revistas de saúde do país. A publicação Sul capixaba circula mensalmente há mais de 17 anos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.