Conheça os sintomas e medidas preventivas para o Coronavírus

66

Coronavírus é uma família de vírus que são comuns em diferentes espécies de animais e que causam infecções respiratórias. Os coronavírus raramente infectam humanos, porém, quando isso ocorre a infecção pode se disseminar entre pessoas. O novo agente do coronavírus (novo coronavírus – nCoV-2019), é um vírus identificado no fim de dezembro de 2019 em Wuhan, China.

“O novo coronavírus causou um surto de doença respiratória que no início foi vinculado com um grande mercado de frutos do mar e animais, o que sugere a disseminação de animais para pessoas. Porém, a infecção se manifestou em um número crescente de pacientes que supostamente não tiveram exposição ao mercado, o que indica a ocorrência de disseminação de pessoa para pessoa”, afirma a médica infectologista Patrícia Vivyanne da Gama Cotta e Silva.

A especialista alerta para os sintomas mais comuns dessas infeções, que são: tosse, dificuldade para respirar e febre, os quais que podem surgir de dois a 14 dias após a exposição. Além disso, o paciente pode apresentar também coriza, dor de garganta e fraqueza.

Conforme relata a médica, as informações atuais disponíveis sugerem que a transmissão do novo coronavírus de uma pessoa para outra ocorre através de gotículas respiratórias (gotículas de salivas eliminadas com a fala, tosse ou espirros) ou contato (toque/aperto de mão ou contato com objetos ou superfícies contaminadas seguidos de contato com a boca, nariz ou olhos).

Doutora Patrícia menciona que no Brasil, até o momento, 34 pacientes foram definidos como casos suspeitos, porém, ainda não temos nenhum caso confirmado no país. Dos 34 casos, 26 foram descartados e oito permanecem em investigação, aguardando resultado de exames. “Medidas de prevenção e controle são fundamentais para impedir a propagação do novo coronavírus, uma vez que ainda não existe vacina para prevenir a infecção”, ressalta.

 

Como se prevenir

– Evite contato próximo com pessoas com sintomas de infecções respiratórias agudas;

– Lavar ou higienize as mãos com preparação alcoólica frequentemente, principalmente após contato direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente, e após tossir ou espirrar;

– Use lenço descartável para higiene nasal;

– Cubra o nariz e a boca quando espirrar ou tossir;

– Evite tocar mucosas de olhos, nariz e boca;

– Não compartilhe objetos de uso pessoal (talheres, pratos, copos ou garrafas);

– Mantenha os ambientes bem ventilados.

Para profissionais de saúde recomenda-se medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas, com uso de máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril impermeável e óculos de proteção. Caso sejam realizados procedimentos geradores de aerossóis (intubação, aspiração de vias aéreas, ventilação não invasiva, ressuscitação cardiopulmonar, ventilação manual antes da intubação, coletas de amostras nasotraqueais ou indução de escarro), recomenda-se precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.



Editora da revista Viver!, uma das mais importantes revistas de saúde do país. A publicação Sul capixaba circula mensalmente há mais de 17 anos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *