Dicas de saúde e bem estar Para as mamães após o parto

230

Após nove meses de espera, chega o tão aguardado dia: o parto. Dar à luz a um filho é, sem dúvidas, um momento de muita emoção para as mães. E após o nascimento do bebê, inicia-se uma nova fase na vida da mulher, cheia de surpresas e desafios. As marcas da maternidade surgem tanto no corpo como na mente da mamãe, que precisa se adaptar às mudanças, voltando sua atenção para a nova vida que está em suas mãos. E isso tudo sem deixar de cuidar da sua própria saúde e bem-estar.

Sabendo que essa não é uma tarefa fácil, a orientação de profissionais é sempre bem-vinda. Quando o assunto é alimentação, a gastroenterologista e nutróloga Karina Cassa Benevenuti ressalta sua importância desde a gestação, sendo fundamental para o desenvolvimento normal do bebê e diminuindo os riscos de doenças. “Há influência, inclusive, na questão cognitiva. Isto é, as mamães que ingerem alimentos saudáveis, terão filhos mais inteligentes e saudáveis”, aponta.

As mamães devem incluir em sua alimentação frutas e vegetais variados – em torno de 700 gramas por dia. Também é necessário incluir no cardápio carboidratos integrais como pão integral, arroz integral, produtos contendo aveia, linhaça, chia e gergelim; além de carnes magras (cozidas ou grelhadas); grãos (feijão, lentilha, grão de bico); castanhas e amêndoas. Ingerir bastante água. “Evite alimentos industrializados, gordura saturada (carnes gordurosas, frituras, queijos amarelos, embutidos e biscoitos recheados), doces (açúcares, balas, chocolate, sorvete), refrigerantes, sal em excesso e produtos embutidos (salsichas, salames, linguiça, mortadela)”, alista.

Doutora Karina explica que é comum observar ganho de peso após o parto. “Isso porque as mamães apresentam o apetite aumentado – específico da lactação, e acabam ingerindo uma quantidade grande de calorias diariamente, usando o fato de estar amamentado como desculpa para comer de forma exagerada e errada. Há a necessidade real de estar bem alimentada, mas de comida saudável, e não o contrário”, alerta a médica.

Para as mamães que desejam recuperar a boa forma após o parto, a especialista recomenda alimentar-se principalmente de frutas e vegetais, carboidratos integrais e carnes magras. Além disso, é importante que retornem à atividade física, assim que possível. “O primeiro ano após o parto é um período fundamental de recuperação da boa forma. O que observamos, como profissionais, é que as mamães que mantêm o sobrepeso após esse período, têm maior dificuldade de perda de peso”, argumenta.

Vale ressaltar que o bom exemplo da mãe (bem como do pai) é de suma importância para que os filhos adquiram bons hábitos alimentares. “Observo no consultório que os pais se preocupam com os filhos, mas não dão exemplo! A criança, mais que seguir ordens, segue o exemplo. Os pais precisam ingerir alimentos saudáveis na frente da criança, como frutas e vegetais, e negar os alimentos prejudiciais, como frituras e doces”, orienta a nutróloga.

Cuidando da

BELEZA

Aumento da pigmentação da pele, manchas na face e estrias estão entre as mudanças na pele da mulher durante a gestação. Dermatologista dá dicas para amenizá-las

 Durante a gravidez, a pele, assim como todo o organismo da mulher, passa por algumas mudanças. Estas alterações são normais e decorrem da maior atividade glandular, em especial, o aumento na produção dos hormônios esteróides (progesterona e estrogênio). Entre as manifestações mais comuns, a dermatologista Martha Proença destaca o aumento da pigmentação da cor da pele. “Ocorre uma intensificação da cor da linha média do abdome, dos mamilos, da aréola mamária e da área genital. Isso é bem mais evidente nas mulheres morenas. Além da piora ou aparecimento das manchinhas na face, o melasma”, expõe.

A especialista explica que a atividade das glândulas écrinas também fica aumentada, por isso é comum o aumento ou surgimento de espinhas e da oleosidade em algumas pacientes. “Outra alteração muito temida pelas mamães se dá no tecido conjuntivo, nas regiões com maior ‘estirão’ da pele, como nas mamas e no abdome. Trata-se das estrias”, ressalta.

De acordo com a dermatologista, com os cuidados certos é possível minimizar a ocorrência desses incômodos. “Existem ativos clareadores que são próprios para as gravidinhas, que ajudam no controle e prevenção do melasma. Fundamental também é o uso mais frequente do protetor solar. E como a pele tende a ficar mais oleosa, o filtro deve ser bem sequinho, livre de óleos, e de preferência com cor para uma proteção extra da luz visível, também implicada no agravamento do melasma.

Após o nascimento, ela explica que existem tratamentos específicos para as lactantes, mas como regra geral, o uso de ativos mais potentes como alguns ácidos e hidroquinona são recomendados somente em uma fase posterior, quando a amamentação estiver reduzida. “Em relação às estrias, o principal é o controle do ganho de peso, evitando o excesso de estirões na pele. Outra dica valiosa é hidratar bem a pele, principalmente nessas áreas mais suscetíveis. Opte pelos cremes com alto poder de penetração e hidratação, e utilize-os após o banho, quando a permeabilidade da pele fica favorecida”, orienta doutora Martha.

Naquelas mamães que já desenvolveram as estrias, a médica relata que existem opções de tratamentos que podem ser realizados logo após o parto, mesmo na fase de amamentação. “Quanto mais precoce, melhor o resultado da abordagem. Destaco os tratamentos à laser, notadamente o Laser de CO2, arma extremamente útil nestes casos, e totalmente seguro no pós-parto. Converse com seu dermatologista, ele é seu melhor aliado para atravessar linda essa fase tão bonita da vida, além de te ajudar a recuperar a beleza da pele após a gravidez!”, aconselha.

Momento de transição

A gravidez é um momento de transição que faz parte do processo normal do desenvolvimento da mulher. Envolve a necessidade de reestruturação e reajuste em várias dimensões. Em primeiro lugar, verifica-se a mudança de identidade e uma nova definição de papéis: a mulher passa a se olhar e ser olhada diferente. “A mulher está exposta a múltiplas exigências, e vivencia um período de reorganização corporal, bioquímica, hormonal, familiar e social que a faz ficar propensa a uma multiplicidade de sentimentos, tais como alegria, euforia, tristeza em alguns momentos e medos frente às novas mudanças”, revela a psicóloga Flávia Oliveira Ávilla.

A profissional salienta que a amamentação é um momento único e essencial para aproximação da mãe e o bebê, pois é quando o bebê tem contato físico direto com a mãe. “O toque e o carinho são essenciais para a sobrevivência em todas as fases de desenvolvimento, mas têm grande importância nos primeiros meses de vida da criança”, aponta.

Além de encher a família de alegria, o nascimento de um filho é um momento em que a atenção se volta para o bebê.  Ainda conforme ressalta a psicóloga, apesar de o parto ligar-se à sentimentos de felicidade e gratidão pelo nascimento de uma criança saudável, algumas mulheres podem sentir-se entristecidas, sobrecarregadas, inseguras e expressare

Após nove meses de espera, chega o tão aguardado dia: o parto. Dar à luz a um filho é, sem dúvidas, um momento de muita emoção para as mães. E após o nascimento do bebê, inicia-se uma nova fase na vida da mulher, cheia de surpresas e desafios. As marcas da maternidade surgem tanto no corpo como na mente da mamãe, que precisa se adaptar às mudanças, voltando sua atenção para a nova vida que está em suas mãos. E isso tudo sem deixar de cuidar da sua própria saúde e bem-estar.

Sabendo que essa não é uma tarefa fácil, a orientação de profissionais é sempre bem-vinda. Quando o assunto é alimentação, a gastroenterologista e nutróloga Karina Cassa Benevenuti ressalta sua importância desde a gestação, sendo fundamental para o desenvolvimento normal do bebê e diminuindo os riscos de doenças. “Há influência, inclusive, na questão cognitiva. Isto é, as mamães que ingerem alimentos saudáveis, terão filhos mais inteligentes e saudáveis”, aponta.

As mamães devem incluir em sua alimentação frutas e vegetais variados – em torno de 700 gramas por dia. Também é necessário incluir no cardápio carboidratos integrais como pão integral, arroz integral, produtos contendo aveia, linhaça, chia e gergelim; além de carnes magras (cozidas ou grelhadas); grãos (feijão, lentilha, grão de bico); castanhas e amêndoas. Ingerir bastante água. “Evite alimentos industrializados, gordura saturada (carnes gordurosas, frituras, queijos amarelos, embutidos e biscoitos recheados), doces (açúcares, balas, chocolate, sorvete), refrigerantes, sal em excesso e produtos embutidos (salsichas, salames, linguiça, mortadela)”, alista.

Doutora Karina explica que é comum observar ganho de peso após o parto. “Isso porque as mamães apresentam o apetite aumentado – específico da lactação, e acabam ingerindo uma quantidade grande de calorias diariamente, usando o fato de estar amamentado como desculpa para comer de forma exagerada e errada. Há a necessidade real de estar bem alimentada, mas de comida saudável, e não o contrário”, alerta a médica.

Para as mamães que desejam recuperar a boa forma após o parto, a especialista recomenda alimentar-se principalmente de frutas e vegetais, carboidratos integrais e carnes magras. Além disso, é importante que retornem à atividade física, assim que possível. “O primeiro ano após o parto é um período fundamental de recuperação da boa forma. O que observamos, como profissionais, é que as mamães que mantêm o sobrepeso após esse período, têm maior dificuldade de perda de peso”, argumenta.

Vale ressaltar que o bom exemplo da mãe (bem como do pai) é de suma importância para que os filhos adquiram bons hábitos alimentares. “Observo no consultório que os pais se preocupam com os filhos, mas não dão exemplo! A criança, mais que seguir ordens, segue o exemplo. Os pais precisam ingerir alimentos saudáveis na frente da criança, como frutas e vegetais, e negar os alimentos prejudiciais, como frituras e doces”, orienta a nutróloga.

Cuidando da

BELEZA

Aumento da pigmentação da pele, manchas na face e estrias estão entre as mudanças na pele da mulher durante a gestação. Dermatologista dá dicas para amenizá-las

 Durante a gravidez, a pele, assim como todo o organismo da mulher, passa por algumas mudanças. Estas alterações são normais e decorrem da maior atividade glandular, em especial, o aumento na produção dos hormônios esteróides (progesterona e estrogênio). Entre as manifestações mais comuns, a dermatologista Martha Proença destaca o aumento da pigmentação da cor da pele. “Ocorre uma intensificação da cor da linha média do abdome, dos mamilos, da aréola mamária e da área genital. Isso é bem mais evidente nas mulheres morenas. Além da piora ou aparecimento das manchinhas na face, o melasma”, expõe.

A especialista explica que a atividade das glândulas écrinas também fica aumentada, por isso é comum o aumento ou surgimento de espinhas e da oleosidade em algumas pacientes. “Outra alteração muito temida pelas mamães se dá no tecido conjuntivo, nas regiões com maior ‘estirão’ da pele, como nas mamas e no abdome. Trata-se das estrias”, ressalta.

De acordo com a dermatologista, com os cuidados certos é possível minimizar a ocorrência desses incômodos. “Existem ativos clareadores que são próprios para as gravidinhas, que ajudam no controle e prevenção do melasma. Fundamental também é o uso mais frequente do protetor solar. E como a pele tende a ficar mais oleosa, o filtro deve ser bem sequinho, livre de óleos, e de preferência com cor para uma proteção extra da luz visível, também implicada no agravamento do melasma.

Após o nascimento, ela explica que existem tratamentos específicos para as lactantes, mas como regra geral, o uso de ativos mais potentes como alguns ácidos e hidroquinona são recomendados somente em uma fase posterior, quando a amamentação estiver reduzida. “Em relação às estrias, o principal é o controle do ganho de peso, evitando o excesso de estirões na pele. Outra dica valiosa é hidratar bem a pele, principalmente nessas áreas mais suscetíveis. Opte pelos cremes com alto poder de penetração e hidratação, e utilize-os após o banho, quando a permeabilidade da pele fica favorecida”, orienta doutora Martha.

Naquelas mamães que já desenvolveram as estrias, a médica relata que existem opções de tratamentos que podem ser realizados logo após o parto, mesmo na fase de amamentação. “Quanto mais precoce, melhor o resultado da abordagem. Destaco os tratamentos à laser, notadamente o Laser de CO2, arma extremamente útil nestes casos, e totalmente seguro no pós-parto. Converse com seu dermatologista, ele é seu melhor aliado para atravessar linda essa fase tão bonita da vida, além de te ajudar a recuperar a beleza da pele após a gravidez!”, aconselha.

Momento de transição

A gravidez é um momento de transição que faz parte do processo normal do desenvolvimento da mulher. Envolve a necessidade de reestruturação e reajuste em várias dimensões. Em primeiro lugar, verifica-se a mudança de identidade e uma nova definição de papéis: a mulher passa a se olhar e ser olhada diferente. “A mulher está exposta a múltiplas exigências, e vivencia um período de reorganização corporal, bioquímica, hormonal, familiar e social que a faz ficar propensa a uma multiplicidade de sentimentos, tais como alegria, euforia, tristeza em alguns momentos e medos frente às novas mudanças”, revela a psicóloga Flávia Oliveira Ávilla.

A profissional salienta que a amamentação é um momento único e essencial para aproximação da mãe e o bebê, pois é quando o bebê tem contato físico direto com a mãe. “O toque e o carinho são essenciais para a sobrevivência em todas as fases de desenvolvimento, mas têm grande importância nos primeiros meses de vida da criança”, aponta.

Além de encher a família de alegria, o nascimento de um filho é um momento em que a atenção se volta para o bebê.  Ainda conforme ressalta a psicóloga, apesar de o parto ligar-se à sentimentos de felicidade e gratidão pelo nascimento de uma criança saudável, algumas mulheres podem sentir-se entristecidas, sobrecarregadas, inseguras e expressarem sentimentos de uma autoimagem prejudicada. Elas podem temer a perda do controle; podem sentir-se apavoradas, solitárias ou culpadas, como se tivessem falhado de alguma forma.

“É importante sempre dividir os sentimentos e dificuldades com pessoas de confiança, e entender que é um processo de adequação e restruturação familiar. Ficar atenta caso os sentimentos intensifiquem, impedindo do contato com o bebê ou causando um sofrimento maior de tristeza e isolamento. Nesses casos, procure a ajuda de um psicólogo para trabalhar todos os sentimentos envolvidos nesse processo”, indica Flávia.

A nutróloga Karina Cassa

A dermatologista Martha Proença

A psicóloga Flávia Avilla (fotos: Jonathan Lessa)

m sentimentos de uma autoimagem prejudicada. Elas podem temer a perda do controle; podem sentir-se apavoradas, solitárias ou culpadas, como se tivessem falhado de alguma forma.

“É importante sempre dividir os sentimentos e dificuldades com pessoas de confiança, e entender que é um processo de adequação e restruturação familiar. Ficar atenta caso os sentimentos intensifiquem, impedindo do contato com o bebê ou causando um sofrimento maior de tristeza e isolamento. Nesses casos, procure a ajuda de um psicólogo para trabalhar todos os sentimentos envolvidos nesse processo”, indica Flávia.

A nutróloga Karina Cassa

A dermatologista Martha Proença

A psicóloga Flávia Avilla (fotos: Jonathan Lessa)



A revista Viver! é publicada mensalmente há mais de 17 anos com circulação no Espírito Santo. Trata-se de uma das mais importantes revistas de saúde do Brasil, com centenas de especialistas em prol do dilema "Informação que faz bem".


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *