Entenda o descolamento de retina e seu tratamento

663

Estrutura fina de tecido nervoso que reveste a parte interna do olho, a retina transforma o estímulo luminoso em um estímulo nervoso e o envia ao cérebro, para que as imagens sejam lidas. Por alguns motivos, porém, pode acontecer um descolamento da retina, trazendo prejuízos sérios à visão.

Segundo doutor Milton Agrizzi David, oftalmologista especializado em retina do Centro Oftalmológico Cachoeiro (COC), existem diversas causas para o descolamento da retina. “Alguns fatores de risco são idade avançada, miopia extrema, histórico familiar de descolamento, trauma ocular, cirurgias oculares prévias e degenerações do fundo de olho”, argumenta.

O especialista explica que existem três tipos de descolamento da retina. “O regmatogênico é ocasionado por uma rotura ou rasgo da retina (mais comum). O segundo tipo é o seroso, gerado pelo acúmulo de fluido abaixo da retina e causado por doenças infecciosas ou inflamação do olho. Já terceiro, o tracional, é gerado por proliferação de vasos e fibrose que puxam a retina, sendo a principal causa a retinopatia diabética proliferativa”, esclarece.

O tratamento para o descolamento da retina varia de acordo com sua causa e gravidade. De acordo com o oftalmologista, o tipo seroso normalmente é tratado clinicamente. O tipo tracional, por sua vez, pode ser conduzido sob observação, necessitando de cirurgia somente quando acomete a mácula. Para o tipo regmatogênico a indicação é sempre uma cirurgia de emergência.

Conforme salienta o médico, quanto antes for feita a cirurgia, melhor o prognóstico e a possibilidade de melhora da visão. “Trata-se de um procedimento cirúrgico de alta complexidade, estando entre as possibilidades a fotocoagulação a laser, retinopexia pneumática, retinopexia com introflexão escleral ou a vitrectomia, conforme a necessidade de cada caso”, diz.

Sobre os sintomas, doutor Milton relata alguns sinais que precedem o descolamento, como flashs de luz ou faíscas ao movimentar a cabeça ou moscas volante (pontos escuros, manchas ou cordas que passam na frente dos olhos). Em casos raros, o descolamento pode ocorrer sem aviso prévio, manifestando-se como perda súbita de visão ou efeito de sombra ou cortina no campo de visão. Realizar um check-up oftalmológico regular é essencial, além de procurar um especialista na presença dos sintomas descritos.

O Centro Oftalmológico Cachoeiro (COC) está localizado na rua Isidoro Barbiere, 35 – Centro, Cachoeiro de Itapemirim. Telefone: (28) 2101-6800.

Conheça o profissional

Dr. Milton Agrizzi David é formado em oftalmologia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e atualmente em especialização em retina clínica e cirúrgica pela mesma instituição.

Está atendendo em Cachoeiro de Itapemirim no Centro Oftalmológico Cachoeiro e no Hospital Evangélico, onde realiza consultas, exames complementares (USG Ocular, Mapeamento de Retina, Tomografia e Angiografia de Retina), laser retiniano e tratamento farmacológico intra-vítreo. E de forma inovadora no Sul do estado, a Tomografia de Coerência Ótica Angiográfica, que permite a realização da angiografia sem a necessidade de contraste endovenoso.

Foto: Erika Medeiros



A revista Viver! é publicada mensalmente há mais de 17 anos com circulação no Espírito Santo. Trata-se de uma das mais importantes revistas de saúde do Brasil, com centenas de especialistas em prol do dilema "Informação que faz bem".


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *