Escolher o calçado adequado ajuda a evitar problemas nos pés

496

Os pés recebem todo o impacto da nossa rotina e são arduamente exigidos durante o dia. Por isso, cuidar bem de sua saúde e saber escolher o calçado adequado são medidas que ajudam a evitar problemas futuros para os pés e a estrutura do corpo. O calçado inadequado pode também afetar os joelhos, quadris e coluna, pois a pisada errada faz com que as estruturas articulares acima dos pés tenham que se adaptar ao movimento errado a fim de executá-lo.

Segundo doutor Luciano Brasil, especialista em cirurgia de pé e tornozelo na clínica Ortotrauma, alguns tipos de sapatos acabam favorecendo determinados problemas. “Os sapatos de bico fino, por exemplo, favorecem o aparecimento de joanete – saliência óssea que se forma na articulação na base do dedão. Isso porque o bico fino pressiona e espreme o dedão do pé em direção ao segundo dedo, causando a deformidade, inflamação e dor”, explica.

O ortopedista relata que o uso de sapatos com salto costuma aumentar a pressão sobre o peito do pé, causando uma inflamação. Além disso, seu uso com frequência joga os pés para a frente, encurta a musculatura da panturrilha e espreme os dedos. Por isso, o especialista recomenda evitá-los, se possível. “As crianças, principalmente, não devem usar salto porque eles prejudicam a formação do arco dos pés e impedem que o movimento da pisada seja completo”, aponta.

Quanto aos sapatos baixos, como as rasteirinhas e chinelos, doutor Luciano esclarece que por não terem amortecimento facilitam a inflamação dos tecidos abaixo do calcanhar, causando dor pontual no osso que o forma. “Classicamente, as pessoas lembram da fascite plantar (esporão de calcâneo), que pode causar uma inflamação com o uso excessivo dos sapatos baixos”, diz.

Conforme elucida o médico, na hora de escolher um calçado a primeira questão que precisa ser levada em consideração é a finalidade e depois sua qualidade do calçado. “Vale a pena pagar um pouco mais caro por algo que traga mais conforto e durabilidade”, argumenta. “Caso a pessoa tenha alguma necessidade especial ou dúvidas, deve procurar um ortopedista, que o auxiliará na escolha do calçado adequado”, orienta.

Como escolher o calçado?

De acordo com doutor Luciano, não existe o calçado certo. O que existe é o sapato certo para cada atividade. Cada pessoa tem um calçado ideal e um modelo que seria prejudicial. Por exemplo, quem está acima do peso teria que usar um calçado com amortecimento bom e evitar rasteirinhas e salto alto. Quem faz atividade física precisa ir ao ortopedista para analisar seu tipo de pisada e decidir se deve comprar um tênis para pisada neutra, supinada ou pronada, e não escolher simplesmente o tênis mais colorido ou bonito.

Para quem tem diabetes, recomenda-se um sapato bem macio e confortável sem costuras internas, para prevenir lesão por compressão. Assim como quem fica muito tempo em pé não deve usar sapato alto, pois aumenta a chance de inflamação nos ossos dos pés; quem é sedentário tem que usar sapatos com fixação do calcanhar, pois provavelmente tem a musculatura fraca que favorece as torções de tornozelo.

Foto: Jonathan Lessa



A revista Viver! é publicada mensalmente há mais de 17 anos com circulação no Espírito Santo. Trata-se de uma das mais importantes revistas de saúde do Brasil, com centenas de especialistas em prol do dilema "Informação que faz bem".


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *