Especialista destaca os avanços no tratamento do câncer

627

Foto: Erika Medeiros

Assim como ocorreu com as doenças infecciosas e, posteriormente, com as cardíacas, vivenciamos avanços no tratamento do câncer. Ao longo das últimas décadas, grandes conquistas foram realizadas, desde as melhorias e aperfeiçoamento das cirurgias, melhores cuidados com sintomas como dor e vômitos, bem como a introdução das terapias genéticas e imunológicas.
O mastologista e cirurgião oncológico Anderson Magalhães Zerbone explica que nessa modalidade, a terapia genética, as células do paciente são retiradas numa coleta de sangue. Em seguida, são modificadas geneticamente em laboratório e reinjetadas no paciente. A partir de agora, conseguem detectar as células tumoral e gerar um ataque preciso contra elas.
“A imuno-oncologia é, sem dúvida, a área que mais se desenvolve; sempre soubemos da importância da relação ‘câncer versus hospedeiro’ – inclusive, o prêmio Nobel de medicina em 2018 coroou os pesquisadores
nessa área. Nessa metodologia terapêutica modificamos nosso sistema imunológico para criar supercélulas e destruir as células cancerosas”, revela doutor Anderson.
Apesar da evolução da medicina, uma coisa, conforme salienta o especialista, não mudou: a prevenção e o diagnóstico precoce ainda são as melhores formas de cura.
“Os gastos anuais com o câncer no mundo são estimados em um trilhão de dólares. Acredita-se  que a cada um bilhão investidos na prevenção, são economizados 100 bilhões em tratamento”, aponta o médico.
Hoje, certamente, a maior causa de câncer é a obesidade. De acordo com o mastologista e cirurgião oncológico, é preciso reconhecer o sobrepeso como uma fábrica de radicais livres e substâncias tóxicas ao DNA. “No início do século XX, o cigarro era o grande causador da doença. Hoje, ele está sendo substituído pela obesidade”, alerta.
Atividade física, alimentação saudável e o controle do sobrepeso são medidas essenciais para prevenir o câncer. Essa junção, segundo doutor Anderson, é capaz de reduzir em 30% as chances de desenvolver câncer de mama, por exemplo. “Nosso maior desafio é tornar esses tratamentos de ponta acessíveis a todos os que precisam”, ressalta.



Editora da revista Viver!, uma das mais importantes revistas de saúde do país. A publicação Sul capixaba circula mensalmente há mais de 17 anos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *