Oncologistas falam sobre Outubro Rosa e Novembro Azul

140

Movimento internacional de conscientização para o controle do câncer de mama, o Outubro Rosa foi criado no início da década de 90 e é celebrado anualmente com o intuito de compartilhar informações sobre prevenção e diagnóstico precoce do principal câncer feminino. Também em prol da disseminação de conhecimento quanto ao câncer de próstata, o que mais afeta a população masculina, a campanha mundial Novembro Azul reforça a importância de deixar o preconceito de lado e realizar o exame de toque, bem como aderir às medidas preventivas no dia-a-dia.

Em entrevista exclusiva à Viver!, os médicos oncologistas atuantes no IOSC (Instituto de Oncologia Sul capixaba) e HECI (Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim) Sabina Aleixo e José Zago Pulido, esclarecem dúvidas sobre os cânceres em questão e divulgam a programação das campanhas desse ano de 2020.

 

Viver! – Falem sobre os números relacionados ao câncer de mama e câncer de próstata no ano de 2020.
Dra. Sabina e Dr. Pulido: Para o Brasil, a estimativa do INCA para cada ano do triênio 2020 a 2022 aponta que ocorrerão 625 mil casos novos de câncer (450 mil, excluindo os casos de câncer de pele não melanoma). Os mais frequentes são os cânceres de mama e próstata (66 mil cada).

Viver! – Pode-se dizer que houve um avanço significativo em termos de diagnóstico precoce e diminuição da mortalidade por conta desses cânceres? Citem as conquistas mais recentes alcançadas no que diz respeito ao acesso a exames e tratamentos, bem como novidades/avanços da medicina para combater ambos os cânceres.

Dra. Sabina e Dr. Pulido: Tivemos avanços no diagnóstico com a melhora da qualidade dos exames que fazem o rastreamento como mamografia digital, US de mamas e resonância da mama. Melhoramos na classificação dos cânceres de mama com o uso da imuno-histoquímica, exames de biologia molecular e testes genéticos. Também evoluímos nos tratamentos com técnicas cirúrgicas sofisticadas, aparelhos de radioterapia conformacional e tratamento de quimioterapia, hormonioterapia, anticorpos monoclonais e agora, por último, as imunoterapias.

Viver! – Apesar dos avanços, que desafios ainda precisam ser superados?

Dra. Sabina e Dr. Pulido: Infelizmente o acesso a tudo não é para todos. Continuamos sempre lutando para que pacientes do SUS consigam acesso às terapias diagnósticas e de tratamento como os da rede privada. Um desafio para as mulheres brasileiras é a dificuldade de acesso inicial ao rastreamento. Existe um indicador muito interessante, publicado pelo Ministério da Saúde, que é a razão entre exames de mamografia em mulheres de 50 a 69 anos e população feminina da mesma faixa etária que numa situação ideal seria um, ou seja, teríamos a mesma quantidade de exames para a quantidade de mulheres que necessitam. Mas isso não ocorre no Brasil, pois esse número não chega a 0,25. Isso quer dizer que temos no Brasil uma mamografia para cada quatro mulheres que precisam fazer mamografia.

Viver! – Que dificuldades foram enfrentadas esse ano, por conta da pandemia, e que impacto isso gerou na vida dos pacientes oncológicos?
Dra. Sabina e Dr. Pulido: Esse ano tivemos uma queda importante no número de casos de primeira vez no HECI. No ano de 2019 tivemos 120 novos casos de câncer de mama. Em contrapartida, este ano até o final de setembro tínhamos atendido apenas 49 casos novos desse câncer. Também houve uma redução drástica na detecção de novos casos de câncer de próstata. Infelizmente, devido ao cancelamento de consultas e exames eletivos, muitos homens e mulheres não puderam fazer seus exames anuais de rastreamento.

 

Outubro Rosa

Viver! – Doutora Sabina, conte para nós a ideia por trás da campanha Outubro Rosa de 2020: 3 perguntas que salvam.
Dra. Sabina: A ideia é fazer as mulheres pararem um pouco para refletir sobre a sua saúde. Fazer as três perguntas: “Você tem observado as suas mamas? Você fez os exames anuais? Você conhece seus fatores de risco?” É o que precisamos para nos cuidar e, assim, fazer o diagnóstico precoce. E claro, fazer essas perguntas paras mulheres que amamos – por isso a hashtag da campanha é #perguntapraela. O intuito é criar uma grande corrente do bem e de alerta.

Viver! – Quais são os projetos do HECI e GAPCCI para a campanha desse ano?

Dra. Sabina: Teremos muitas lives educativas, que serão sempre nas quintas e o encerramento com a nossa Semana da Arte Solidária com uma exposição presencial de obras de arte doadas por diversos artistas plásticos, cujas vendas serão revertidas para ampliação da Casa de Apoio aos Pacientes com Câncer de Cachoeiro.

Viver! – Dê breves dicas que toda mulher deveria seguir para a prevenção do câncer de mama.

Dra. Sabina: Não fume, faça atividades físicas regulares, evite a obesidade, tenha uma alimentação saudável, evite o excesso de bebida alcoólica, fique atenta à sua história familiar de câncer na família e faça os seus exames de rastreamento anuais. Além disso, esteja rodeada de pessoas alegres e faça coisas que trazem felicidade para a sua rotina!

Novembro Azul

Viver! – Doutor Pulido, qual é a proposta da campanha Novembro Azul para 2020? Que objetivos espera-se alcançar com ela?
Dr. Pulido: A proposta do Novembro Azul seguirá o mesmo formato do Outubro Rosa, alertando sobre as três perguntas que salvam através de postagens nas mídias sociais. Além da realização de lives educativas com profissionais da saúde.
As perguntas para os homens serão: “Você tem observado a sua urina? Você tem feito seus exames anuais? Você conhece os seus fatores de risco?”.

Viver! – Fale também sobre os projetos do HECI e GAPCCI para a campanha desse ano.

Dr. Pulido: Nossa grande meta é a ampliação da Casa de Apoio, pois estamos precisando melhorar a nossa estrutura para atender mais e melhor os nossos pacientes, que tanto precisam.

Viver! –  Quais são as suas dicas para a população masculina, no que diz respeito a prevenção do câncer de próstata?

Dr. Pulido: Evitar o excesso de álcool, não fumar, fazer atividade física regularmente e alimentação saudável. Também é de suma importância fazer os exames anuais de rastreamento e conhecer a sua história familiar de câncer, pois tem fator relevante a hereditariedade.

 

Dra. Sabina Aleixo e Dr. José Zago Pulido atendem no Instituto de Oncologia Sul

Capixaba (IOSC), localizado na avenida Lacerda de Aguiar, 25, Gilberto Machado

– Cachoeiro. Telefone: (28) 3521-1219. Site: www.iosc.com.br. Instagram:

@casaloncologista.

A Casa de Apoio GAPCCI está localizada na Rua Pedro Quinelato, 58/60, bairro Ferroviários, Cachoeiro de Itapemirim. Conheça o trabalho da ONG através do Instagram @gapcci.

 



Jessica Castelo

Editora da revista Viver!, uma das mais importantes revistas de saúde do país. A publicação Sul capixaba circula mensalmente há mais de 17 anos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *