Proteja seus filhos do sol e de acidentes domésticos

332
Foto: Erika Medeiros

Chegaram as férias! Para que esse seja um período apenas de diversão, os cuidados devem ser redobrados com as crianças. Por estarem mais tempo em casa ou em atividades fora de sua rotina escolar, elas ficam mais expostas aos riscos de acidentes domésticos. Queimaduras, fraturas, traumatismos cranioencefálicos e intoxicações pelos produtos de limpeza e medicamentos estão entre os mais comuns nas férias. Além de cortes, asfixias e contusões. 

Outro cuidado essencial com os pequenos nas férias, conforme salienta a pediatra Brunna de Freitas Castello Melo, é ao levar as crianças à piscina ou à praia. “Fiquem atentos para evitar acidentes com queimadura solar, bem como os que podem acontecer na água – desde cortes com pedras, quedas nas bordas da piscina ou picadas de animais venenosos, como escorpiões, aranhas, entre outros”, alerta.

Sabendo que no verão a exposição solar é grande, os cuidados com a pele das crianças não podem ser deixados de lado. Para os bebês de até seis meses, a recomendação da especialista é evitar exposição solar direta. O uso de protetores mecânicos como sombrinhas, guarda-sóis , bonés e roupas é importante. “Não é recomendada a utilização de filtro solar, pois pode haver absorção de agentes tópicos em uma fase em que mecanismos de metabolização e excreção podem não estar totalmente desenvolvidos”, afirma.

Dos seis meses aos dois anos, doutora Brunna orienta utilizar somente filtros 100% físicos (filtro “baby” ou “mineral”), pela menor capacidade de provocar alergias, alta resistência à água e proteção imediata. “Faça a fotoproteção mecânica com roupas adequadas, de preferência fabricadas para proteção contra a radiação ultravioleta. Além disso, é recomendável proteger a criança na sombra, com chapéus de abas largas e óculos de sol”, expõe.

A partir dos dois anos, a pediatra explica que é recomendado o uso de filtro solar infantil, que em geral, é uma mistura de filtros químicos e físicos. “Evite exposição solar entre as 10 e 15 horas – mesmo em dias nublados e sob o guarda-sol – quando 60% da radiação UVB chega à superfície terrestre. Só essa precaução já resulta em diminuição das alterações agudas e crônicas provocadas pelo sol na pele.

Devido a euforia e quebra da rotina das crianças nesse período, torna-se um desafio manter a alimentação saudável. “Prefira os alimentos naturais e frescos, mas certifique-se que folhas, verduras e legumes foram bem higienizados. Tente evitar produtos industrializados. Nem sempre o processo de preparação, conservação e refrigeração é conhecido, o que pode oferecer riscos à saúde”, argumenta a médica.

Manter o corpo hidratado, especialmente o das crianças, é fundamental no verão para evitar a desidratação. O consumo de líquidos, conforme salienta a especialista, deve ser reforçado. “Os pais devem oferecer água, água de coco e sucos naturais regularmente durante todo o dia, principalmente quando os pequenos estiverem no sol. É importante não esperar que a criança peça água, porque quando ela sente sede, já pode estar desidratada”, reforça.



A revista Viver! é publicada mensalmente há mais de 17 anos com circulação no Espírito Santo. Trata-se de uma das mais importantes revistas de saúde do Brasil, com centenas de especialistas em prol do dilema "Informação que faz bem".


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *