Busca por medicamentos para sintomas gripais aumenta nas farmácias

22

A farmacêutica Aline Sartori – Foto por Izabele Velloso

Uma epidemia de Influenza tem atingido diversos estados do Brasil nos últimos meses. Desde meados de novembro, observa-se uma alta na quantidade de casos de síndrome gripal em pelo menos nove estados do País. No Espírito Santo, segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde (SESA), foi observado um aumento massivo na procura de serviços de saúde pela população, bem como na taxa de positividade por Influenza em exames recebidos pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Espírito Santo.

Em outubro, a taxa de casos em território capixaba, segundo comunicado da SESA, era de 0,04%, e em dezembro, até o dia 13, registrou-se taxa de positividade crescente de 7,3% em todo o estado. O governo estadual divulgou que, por conta disso, está mobilizando os 78 municípios do estado para atingir a meta de 90% de cobertura vacinal contra a gripe, a qual é preconizada pelo Ministério da Saúde. Até o dia 15 de dezembro, a cobertura era de 78,6% do grupo de risco, considerada baixa adesão.

De acordo com a farmacêutica bioquímica Aline Sartori, com o surto de gripe associado ao crescimento de casos de Covid-19, as vendas de medicamentos antigripais nas farmácias têm aumentado consideravelmente. “Medicamentos de mais fácil acesso – por não exigirem receita médica – para tratar sintomas como coriza, febre e dor de cabeça, têm sido muito procurados, aumentando em disparada as vendas com relação ao mesmo período do ano passado”, revela.

Sendo um dos profissionais mais acessíveis à população – tendo seu dia comemorado em 20 de janeiro – o farmacêutico possui um importante papel quando se trata de orientação adequada quanto a posologia correta, tempo de tratamento, modo de usar, armazenamento e validade dos medicamentos. Portanto, o profissional farmacêutico deve ser procurado a fim de avaliar a segurança e efetividade dos medicamentos prescritos e não prescritos, podendo assim identificar interações entre os medicamentos, intoxicações e eventos adversos, garantindo uma terapia adequada.

Falando sobre o tratamento, a farmacêutica salienta a importância de procurar uma Unidade Básica de Saúde ao apresentar sintomas gripais. Nos quadros leves, ela explica que pode-se administrar medicamentos sintomáticos, como os descongestionantes nasais, anti-histamínicos, analgésicos, antipiréticos, antitussígenos e expectorantes.

A profissional relata que os inibidores da neuraminidase, fármacos antivirais disponíveis para tratamento e profilaxia da influenza, necessitam de prescrição médica e em decorrência da epidemia está havendo mais dificuldade em encontrá-los. “Esses fármacos – fosfato de oseltamivir (Tamiflu®) e zanamivir (Relenza®) – são administrados nas primeiras 24 horas de sintomas, no intuito de amenizar a fase sintomática e restringir o risco de complicações. O uso profilático reduz a infecção de 55% a 92%”, aponta.

Ainda de acordo com Aline Sartori, é importante que o farmacêutico estimule o paciente a identificar fatores que possam estar agravando seu quadro clínico, evitando assim a exposição e obtendo melhora dos sintomas. “É importante enfatizar que a principal medida profilática para a gripe é a vacinação, e que ao notar piora nos sintomas o paciente deve retornar ao consultório médico para prevenir complicações como a pneumonia”, finaliza.

Uso abusivo de antibióticos

Conforme alerta o Conselho Federal de Farmácia, muitas vezes, os pacientes são medicados com antibióticos sem necessidade. Esse comportamento pode piorar o já grave problema das bactérias resistentes aos antimicrobianos. “Quando os antibióticos são prescritos desnecessariamente e/ou mal utilizados, isso é uma ameaça a utilidade desses medicamentos”, frisa a farmacêutica Aline Sartori. “É importante utilizar antibióticos somente quando necessário, a fim de prevenir a resistência a eles”, expõe.

Cuidados preconizados

Tendo em vista a atual epidemia de síndrome gripal, a Secretaria da Saúde do Espírito Santo sugere que a população mantenha os hábitos que previnem infecções respiratórias, tais quais:

  • Lavar as mãos com água e sabão ou com álcool em gel, principalmente antes de consumir algum alimento;
  • Uso correto de máscara facial;
  • Se vacinar contra a Covid-19 e contra a Influenza;
  • Usar lenço descartável para higiene nasal;
  • Procurar atendimento médico em caso de sintomas gripais;
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas; • Manter os ambientes bem ventilados;
  • Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de gripe;
  • Evitar aglomerações e ambientes fechados, procurando manter os ambientes ventilados;
  • Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos.

 

Aline Sartori – farmacêutica bioquímica

Proprietária das drogarias Novo Parque e Alto Vilage

Telefones: (28) 3522-6644/ 99901-7264

E-mail: drogarianovoparque@hotmail.com

Av. José Rosa Machado, 305, Alto Novo Parque – Cachoeiro de Itapemirim –ES

 



Editora da revista Viver!, uma das mais importantes revistas de saúde do país. A publicação Sul capixaba circula mensalmente há mais de 17 anos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.