Fisioterapia respiratória atua na melhora da capacidade pulmonar

335

Para muitos, a fisioterapia respiratória é novidade. Até mesmo alguns profissionais da saúde desconhecem seus benefícios. As técnicas evoluíram e os resultados melhoraram; nos hospitais dos grandes centros como Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, os serviços de fisioterapia hospitalar são fortes há mais de 30 anos – revela o fisioterapeuta Alex Rodrigues, da clínica Reabsul. “Os índices de mortalidade diminuíram enormemente durante período de internação, principalmente em idosos acamados e pacientes das UTIS; já as crianças, são beneficiadas de imediato, segundo relato dos pais”, argumenta.

“Muitos perguntam qual a interferência da fisioterapia respiratória em um quadro de pneumonia. ‘O que irá curar não é o remédio? ’. A resposta é sim, o medicamento irá combater o vírus que provoca a determinada doença. Falo sempre que em certas situações não atuamos na doença, mas sim no que ela provoca e que dificulta a qualidade de vida da pessoa”, declara o profissional.

Conforme explana doutor Alex, a fisioterapia respiratória tem o objetivo de fazer com que a criança ou o adulto consiga expectorar a secreção. Com isso, há uma melhora na qualidade do sono e na alimentação de alguns bebês, tendo em vista que com o nariz entupido e a boca no seio da mãe a respiração fica dificultada. “Nesta situação, o bebê preferirá respirar, deixando de mamar ou não se alimentando suficientemente, atrapalhando seu restabelecimento”, esclarece.

Segundo o fisioterapeuta, o método é capaz de promover a reeducação respiratória nos asmáticos. “Atuamos não somente na doença propriamente dita, mas também na profilaxia de certos males, melhorando a capacidade pulmonar de qualquer indivíduo, doente ou não. Utilizamos exercícios respiratórios e posturais, aparelhos específicos para cada caso, orientações posturais, preventivas profiláticas e manobras manipulativas”, aponta.

O profissional ressalta que essas manobras requererem um cuidado todo especial do profissional, visto que em certas patologias há riscos. Um exemplo é a osteoporose, na qual manobras mal realizadas poderão provocar fraturas. Outra situação é quando não se têm certeza se pode haver lesões subcutâneas ou internas, pois poderá provocar sangramento no local.

 

Atuação ampla

A fisioterapia respiratória atua na asma, bronquite, pneumonia, bronquiolite, Doença Obstrutiva Pulmonar Crônica (DPOC), atelectasias, fibrose císticas, entre outras patologias. Também é utilizada no preparo para cirurgias de tórax e abdome. Em atletas, seu papel é na avaliação da capacidade respiratória, promovendo a melhora, quando necessário.

(foto: Jonathan Lessa)



A revista Viver! é publicada mensalmente há mais de 17 anos com circulação no Espírito Santo. Trata-se de uma das mais importantes revistas de saúde do Brasil, com centenas de especialistas em prol do dilema "Informação que faz bem".


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *