Mascne: a acne causada pelo uso de máscaras de proteção

14

Foto por Ana Paula Grechi

As máscaras faciais de proteção se tornaram parte do nosso cotidiano após o surgimento do novo Coronavírus. São diversos modelos com cores e até mesmo estampas diferentes; todos, porém, com um único objetivo: evitar a contaminação. Que as máscaras são essenciais para quem precisa ir à rua, não temos dúvidas, mas elas estão deixando muitas pessoas com acne.

O problema se tornou tão frequente que tem até nome: mascne. (ou maskne, em inglês). Segundo a dermatologista Patrícia Oliveira, trata-se da acne mecânica causada pelo uso de máscaras de proteção. “O termo ‘maskne’ é a mistura de ‘mask’ + ‘acne’”, explica. Conforme ressalta a especialista, isso      acontece devido o atrito, aumento da umidade, oleosidade e proliferação de bactérias.
E como amenizar a mascne? As dicas da médica são: “se for viável opte por máscaras suaves, 100% algodão; evite maquiagens por baixo da máscara; e se for fundamental usar no seu trabalho, opte por produtos não comedogênicos”. Outro cuidado essencial diz respeito ao skin care: “redobre os cuidados com a sua rotina diária de cuidados com a pele”, completa.
Doutora Patrícia salienta ainda a importância de lavar constantemente as máscaras. “Cuide delas como se fossem peças íntimas. Assim você não vai ter coragem de reutilizar sem lavar, não é mesmo?!”, diz. “Além disso, é fundamental que a máscara de pano ou descartável seja trocada a cada duas horas; use sabonete e hidratante próprios para seu tipo de pele para diminuir o atrito e a fricção”, indica. Cuide-se, e ao sair, não se esqueça: leve sua máscara!



Editora da revista Viver!, uma das mais importantes revistas de saúde do país. A publicação Sul capixaba circula mensalmente há mais de 17 anos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *