Novembro azul alerta contra preconceito de realizar a prevenção

111

Wagner Medeiros Junior

Economista e Especialista em Gestão de Saúde

 

Segundo o Ministério da Saúde (MS), a estimativa da incidência do câncer de próstata é de 66,12 novos casos para cada 100 mil homens. Em razão desses dados, anualmente surgem no Brasil cerca de 68.200 novos casos, que ocasionam mais de 14 mil óbitos. O câncer de próstata é a segunda maior causa de morte por câncer entre os homens, só perde para o de pele. Muitas dessas mortes poderiam ser evitadas por um simples exame de toque. A prevenção continua a ser a melhor arma a favor da vida, de modo que a visita anual a um médico urologista é a maneira mais eficaz de diagnosticar a doença em seu estágio primário, quando o tratamento é mais eficaz.

Nos últimos anos a campanha do “Novembro Azul” tem tido larga repercussão nesse alerta. No entanto, muitos homens ainda têm preconceito ou medo de realizar a prevenção de acordo com orientação médica. Outro fator que tem dificultado o diagnóstico precoce é o desconhecimento. Em nosso país a falta de informação leva a que muitas pessoas sequer conheçam a doença ou possam avaliar sua gravidade, de modo que ela só é detectada quando já se encontra em um estágio avançado, quando há menos oportunidades de cura. É lamentável, mas nas comunidades mais isoladas e regiões mais pobres muitos homens sequer têm acesso ao médico especialista.

Os principais sintomas do câncer de próstata, de acordo com informações do MS, são: presença de sangue na urina; dificuldade de urinar (demora em começar e terminar de urinar); necessidade de urinar com mais constância, seja durante o dia ou à noite, e diminuição do jato de urina. O motivo é que o tumor na próstata fica localizado abaixo da bexiga atingindo o canal que liga a bexiga ao orifício do pênis. Em qualquer um desses casos é imprescindível a consulta com um médico para o diagnóstico da doença. A confirmação se dá após a realização da biópsia, que determina se o tumor é de natureza benigna ou não.

Informações obtidas junto ao MS nos dão conta de que “o câncer de próstata, na maioria dos casos, cresce de forma lenta e não chega a dar sinais durante a vida e nem a ameaçar a saúde do homem. Em outros casos, pode crescer rapidamente, se espalhar para outros órgãos e causar a morte. Esse efeito é conhecido como metástase”. A metástase é o crescimento desordenado das células, que são as menores partes do corpo humano. Entretanto, nem sempre a metástase é maligna.

Estatísticas do MS apontam que em cada dez diagnósticos de homens com câncer de próstata, nove deles têm mais que 55 anos. Portanto, a idade é um dos fatores “que podem aumentar as chances de um homem desenvolver câncer de próstata”. Outros fatores são o sobrepeso, a obesidade e o histórico genético. Neste último caso é importante observar se parentes próximos, tais como avô, pai, tio ou irmão tiveram esse tipo de câncer. Em caso positivo é maior o risco.

A prevenção do câncer de próstata segue as mesmas orientações médicas para diversos tipos de doenças e diz respeito ao hábito de vida saudável. Os médicos recomendam evitar o uso de tabaco e o consumo de bebidas alcoólicas, praticar atividades físicas com regularidade, manter uma alimentação saudável e equilibrada e o peso adequado. Entretanto, não se pode esquecer de que um dos atos de prevenção mais importante é a visita ao médico com regularidade ou ao menos uma vez ao ano. Isto, aliás, é imprescindível para evitar qualquer tipo de enfermidade e para a manutenção da qualidade de vida.



Editora da revista Viver!, uma das mais importantes revistas de saúde do país. A publicação Sul capixaba circula mensalmente há mais de 17 anos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *