Dieta com fibras tem efeito protetor para a ocorrência de diverticulite

632

Até metade das pessoas com mais de 60 anos de idade sofrem de diverticulite. Trata-se de uma doença que resulta da formação de pequenas “bolsas” que se formam nos intestinos, conhecidos como divertículos. A diverticulose, geralmente, não precisa de tratamento, enquanto a diverticulite (diverticulose + inflamação) é uma doença mais grave que ocorre em até 15% dos pacientes com diverticulose e pode exigir cirurgia.

O coloproctologista e cirurgião geral Gediel Teixeira Xavier explica que a diverticulite ocorre quando um desses divertículos do intestino são bloqueados por resíduos de fezes, ocorrendo uma inflamação ou infecção. Os achados mais comuns, de acordo com o especialista, são a dor, febre e abscesso abdominal.

“Por vários anos acreditou-se que pacientes com diverticulose não pudessem alimentar-se com sementes. Uma dieta pobre em fibras, nozes e sementes é realmente o melhor remédio contra a diverticulite?”, questiona doutor Gediel. “Essa recomendação foi baseada na hipótese de que fibras e sementes poderiam obstruir a luz dos divertículos, levando à inflamação e, com isso, à diverticulite”, expõe.

O especialista cita um estudo publicado no Journal of the American Medical Association, o primeiro de longo prazo sobre o assunto. “Foram analisados dados sobre mais de 47.000 homens com idade entre 40 e 75 anos que foram acompanhados ao longo de 18 anos. 800 casos de diverticulite foram registrados entre eles, além de 380 casos de sangramento diverticular. Os pacientes que comiam frutas secas, pipocas e sementes até duas ou mais vezes por semana, apresentaram risco de desenvolver diverticulite até duas vezes menor”, relata.

Conforme explana o médico, esse estudo vem concluir como mito a associação de sementes e o desenvolvimento de diverticulite, contradizendo o conselho cultural e até de muitos experts. “Isso significa que a dieta com fibras tem efeito protetor para a ocorrência de diverticulite. Porém, há pacientes que quando comem sementes de tomate, caroço de uva, feijão ou jabuticaba, não se sentem bem por intolerância. Nesses casos, o aconselhável é não consumir, mesmo sabendo que a ingestão  não causará diverticulite”, orienta.

“Outro fato é encontrar pessoas com diverticulite e câncer colorretal, não porque um problema cause o outro, mas porque a dieta pobre em fibras e o envelhecimento são fatores de risco para o aparecimento tanto da diverticulose quanto do câncer colorretal”, aponta doutor Gediel. “Dessa maneira, o aconselhável é introduzir fibras na preparação de alimentos”, completa.

A clínica Gastrosul está localizada na rua Dr. José Paes Barreto, 01, centro – Cachoeiro de Itapemirim. Telefone para contato: (28) 3521-7776. Site: www.gastrosul.com.br

Orientações

  • Ao cozinhar o feijão, acrescente na panela 2 a 3 colheres de sopa de farelo  de trigo ;
  • Coma frutas e vegetais associando aveia, cereais, nozes ou arroz integral. Ou preparado junto com ervilhas, linhaça e lentilhas;
  • Escolha pães, cereais e bolachas que contenham farinha integral;
  • Compre alimentos não processados. A maioria dos alimentos processados tem suas fibras removidas;
  • Fique atento aos rótulos dos alimentos, boas fontes de fibras possuem pelo menos 10% da quantidade de fibras diária necessária;

Viva bem com seu intestino



A revista Viver! é publicada mensalmente há mais de 17 anos com circulação no Espírito Santo. Trata-se de uma das mais importantes revistas de saúde do Brasil, com centenas de especialistas em prol do dilema "Informação que faz bem".


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *