Neuropsicólogo atua em conjunto com outros profissionais

459

Sabe-se que após o desenvolvimento de transtornos mentais – como o Transtorno do Espectro Autista (TEA), dislexia e outros – e/ou após as lesões, é possível proporcionar a essas pessoas qualidade de vida. O neuropsicólogo – especialista interessado em entender a relação entre o Sistema Nervoso Central, o comportamento e as funções cognitivas -, em conjunto a uma equipe interdisciplinar, tem um papel fundamental nesse processo.

A Neuropsicóloga Dra. Daniele de Souza Garioli explica que através da avaliação neuropsicológica, a qual engloba testes e procedimentos, é possível identificar o grau de integridade e de comprometimento das funções cognitivas, além de alterações comportamentais que precisam ser reabilitadas. A partir daí, o paciente é encaminhado para os profissionais necessários para a melhora do quadro. “Geralmente, a reabilitação ocorre de forma interdisciplinar, na qual psicólogos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, além de neurologistas e/ou psiquiatras trabalham em conjunto com o objetivo de criar estratégias compensatórias para cada uma das dificuldades do paciente”, salienta doutora Daniele.

A neuropsicóloga ressalta que quanto mais cedo o paciente for diagnosticado, melhor será o prognóstico de recuperação. “À criança com transtornos de aprendizagem, é imprescindível, por exemplo, realizar fonoterapia. Isso devido às dificuldades relacionadas à linguagem e ao processamento auditivo central; além de psicoterapia – pois são comuns comportamentos de desmotivação no momento da realização da tarefa e sentimentos de insegurança e baixa autoestima -, apoio psicopedagógico e reabilitação neuropsicológica”, relata.

A reabilitação neuropsicológica é feita com base nas funções que estão preservadas. “Como em qualquer tratamento terapêutico, os resultados dependem também de fatores como engajamento e motivação do paciente. Quanto mais empenhado o paciente estiver, melhores serão as respostas. Nesse sentido, o paciente passa a adotar comportamentos mais adaptativos e terá atitudes que o possibilitam utilizar as funções preservadas, de forma a compensar as que foram prejudicadas”, expõe.

Dra. Daniele de Souza Garioli

Psicóloga/Neuropsicóloga (CRP 16/2446)

Doutorado em Psicologia e Avaliação Psicológica – UFES

Mestrado em Psicologia e Processos Cognitivos e Perceptuais – UFES

Pós-graduação em Neuropsicologia e Reabilitação Neuropsicológica- INESP/SP

Pós-graduação em Terapia Cognitivo Comportamental

Telefone: (28)99988-8234

Av. Francisco Lacerda de Aguiar,177 – Gilberto Machado – ED. Arpoador, sala 803.



A revista Viver! é publicada mensalmente há mais de 17 anos com circulação no Espírito Santo. Trata-se de uma das mais importantes revistas de saúde do Brasil, com centenas de especialistas em prol do dilema "Informação que faz bem".


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *