Previna-se e quebre tabus quando o assunto é câncer de próstata

173

Segundo tipo mais comum de câncer nos homens, o câncer de próstata 68.220 casos estimados pelo INCA esse ano. Alguns fatores de risco aumentam as chances do desenvolvimento da doença. Entre eles está o histórico familiar da doença, o qual aumenta quatro vezes mais as chances de o indivíduo desenvolver o câncer de próstata, se comparado a homens na mesma faixa etária sem casos na família.

O urologista Carlos Frederico Buloto Schmitd aponta ainda para a maior incidência em homens de raça negra, o que leva à necessidade de ter uma atenção maior neste grupo de pacientes. “Trabalhos recentes têm relatado ainda uma maior incidência do câncer de próstata em pessoas com baixa exposição à luz solar, além de pacientes com baixa frequência de relações sexuais”, aponta.
Dessa forma, ter uma vida sexual ativa e se expor à luz solar em horários seguros e com a devida proteção são medidas que ajudam a diminuir as chances do desenvolvimento dessa neoplasia maligna. Associada a isso, uma alimentação com baixo teor de gorduras saturadas parece reduzir a incidência, conforme salienta o especialista.

Assim, algumas mudanças podem ser benéficas – desde que adquiridas o mais cedo possível. Entretanto, visto que o principal fator de risco ainda é o genético, realizar os exames rotineiros para o diagnóstico de câncer de próstata é fundamental.  Todo homem deve procurar seu urologista anualmente a partir dos 50 anos, ou 45, se houver familiares com câncer de próstata. “O exame não é preventivo no sentido de evitar o surgimento da doença, mas sim de evitar que não ocorra o diagnóstico precoce e o tratamento adequado”, esclarece o especialista.

O primeiro passo para o diagnóstico do câncer de próstata é o toque retal, que deve ser feito . Trata-se de um exame que, apesar de ser incômodo, é simples e rápido. Além deste, costuma-se solicitar o PSA, um exame de sangue que dosa uma substância exclusiva da próstata. “Atualmente a ressonância magnética da próstata tem sido usada para melhorar a indicação de uma possível biópsia, na qual se colhe material da próstata para uma análise mais aprofundada”, explana o urologista.

De acordo com o especialista, infelizmente ainda existem alguns tabus e preconceitos em relação ao exame da próstata. “É importante saber que o exame é simples, não afeta a masculinidade; além de evitar que um possível câncer seja diagnosticado em sua fase tardia, quando se perde uma grande chance de um tratamento eficaz”, alerta o médico.

Vale ressaltar que o diagnóstico precoce do câncer de próstata é de extrema importância, já que em suas fases iniciais a doença não costuma apresentar sintomas. Alguns preconceitos surgem ainda quando o assunto é tratamento do câncer prostático. Entretanto, tratar a doença precocemente evita uma série de complicações que muitas vezes são bem dolorosas, conforme ressalta doutor Carlos Frederico.

Homem que é homem se cuida!

#todoscontraocâncer

“Eu apoio as campanhas Outubro Rosa e Novembro Azul. Vamos aproveitar o momento para lembrar aos nossos familiares para que façam os exames de detecção precoce dos cânceres de mama e de próstata. Quem ama lembra!”

O urologista Carlos Frederico Buloto Schmitd atende na avenida Francisco Braga, 73, sala 902 – Edifício Itapuã – Centro, Cachoeiro de Itapemirim. Telefone: 3522-3682

 Foto: Erika Medeiros



A revista Viver! é publicada mensalmente há mais de 17 anos com circulação no Espírito Santo. Trata-se de uma das mais importantes revistas de saúde do Brasil, com centenas de especialistas em prol do dilema "Informação que faz bem".


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *