Radiologista fala sobre a rotina e avanços da especialidade

949

Em homenagem ao Dia Internacional da Radiologia e Dia Nacional do Médico Radiologista, ambos celebrados em 08 de novembro, convidamos Dr. Fábio Bortolini, médico radiologista e responsável técnico em diagnósticos por imagem no Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim (HECI), para falar sobre os desafios e avanços da profissão. Confira abaixo!

Jessica Castelo

jessica@editoraviver.com.br

 

Viver!: No dia 08 de novembro foram celebrados o Dia Internacional da Radiologia e o Dia Nacional do Médico Radiologista. O que essa data representa para você, como especialista na área?

Dr. Fábio: É um reconhecimento ao profissional da área de radiologia e diagnóstico por imagem. Infelizmente nossa atividade profissional não está tão próxima do paciente quanto o médico assistente, que cria vínculos. Ainda assim, nos envolvemos de corpo e alma para tentar encontrar o motivo da queixa e oferecer um diagnóstico preciso para cada paciente.

Viver!: Como é o dia-a-dia de um médico radiologista? O que abrange sua rotina?

Dr. Fábio: É uma rotina bem árdua. A partir do momento em que a clínica abre, o médico já está lá e fica até fechar a clínica, muitas vezes sem horário de almoço. Apesar de muitos exames serem feitos por técnicos, quem imprime e se responsabiliza pela sua qualidade é o médico radiologista. Houve um aumento na quantidade de exames realizados e a quantidade de especialistas não tem acompanhado essa demanda, acarretando uma sobrecarga. Nosso dia-a-dia envolve interpretar imagens, avaliar exames e tentar proporcionar um diagnóstico cada vez mais preciso.

Viver!: Que avanços você poderia destacar na área nos últimos anos?

Dr. Fábio: Posso dizer que a radiologia é a especialidade médica mais tecnológica, sendo uma das modalidades de maior expansão. Tanto na utilização, pois cada vez mais as pessoas têm feito exames, quanto na qualidade dos exames e especificidade dos diagnósticos. Tem-se percebido o quanto os exames de imagem colaboram na medicina, portanto, hoje eles fazem parte da rotina diária.

No HECI, onde sou o responsável técnico pelos diagnósticos por imagem, estamos sempre atentos às inovações tecnológicas. Possivelmente no começo do próximo semestre, vamos inaugurar mais um serviço de diagnóstico: a Cintolografia, através de um equipamento bem moderno. Já estamos correndo atrás de outras novidades para 2020, com exames que até então são feitos apenas em grandes centros do país. Estamos sempre participando de encontros nacionais e internacionais a fim de acompanhar a evolução da medicina em termos de diagnósticos mais precisos e tecnologia de ponta.

Viver!: Fale sobre os desafios envolvidos em conciliar sua jornada dupla como médico e empresário na área da educação, atuando como sócio-fundador da primeira escola bilíngue de Cachoeiro, a Maple Bear.

Dr. Fábio: Acredito que o mais importante para vencer qualquer desafio é amar o que a gente faz. A partir do momento em que temos prazer no que fazemos, vencemos qualquer coisa. A medicina, em especial a radiologia, é uma paixão na minha vida. E agora descobri uma nova paixão, também, que é a educação. E são duas áreas correlatas, pois envolvem relacionamento, cuidar, carinho… tanto na relação do médico com o paciente naquele momento em que ele está frágil, quanto na educação, onde vemos as crianças ávidas por ter acesso a um conteúdo de qualidade e uma proposta educacional diferenciada. E a gente poder oferecer isso e ver o retorno dos pacientes, das crianças e seus familiares, é algo gratificante.

Foto por Erika Medeiros



Editora da Revista Viver! - Jornalista há mais de 15 anos, atua também na área de Marketing Digital como social media.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *