Lesões musculares são frequentes no esporte: saiba como prevenir

29

Dr. Luciano Brasil – Foto por Erika Medeiros

Extremamente frequentes nos esportes, as lesões musculares podem ocorrer por diversos fatores. Os principais, segundo o ortopedista Luciano Brasil, da clínica Ortotrauma, são: idade acima de 40 anos, sexo masculino; falta de condicionamento físico; falta de preparo para determinado esporte, má hidratação, abuso de álcool, falta de aquecimento previamente à atividade física; uso de determinados medicamentos, principalmente os redutores de colesterol da classe Estatina.

Entre os tipos de lesão muscular, doutor Luciano cita as traumáticas, “pancada” e atraumáticas.  “A contusão muscular ocorre quando existe um trauma agudo sobre o tecido muscular. Geralmente ligada à lesão de determinadas outras estruturas como pele, tendões e músculos. É o clássico chute que o adversário dá na perna do jogador de futebol”, menciona.

Outro tipo é o estiramento muscular. Segundo o especialista, é definido como uma força abrupta aplicada sobre a musculatura. Acomete os músculos que estão realizando a contração excêntrica, resistindo ao movimento. Já as cãibras, também denominadas de espasmos musculares, estão ligadas a diversos fatores como alterações da quantidade de sódio, potássio e magnésio no sangue, reposição inadequada de líquidos durante atividade física, mau condicionamento físico, falta de aquecimento e, finalmente, problemas neurológicos.

No que diz respeito às lesões por “Over Use”, o ortopedista explica que ocorrem quando se faz uma atividade física acima da sua capacidade fisiológica. “Em geral, acometem corredores de rua, ultra maratonistas, ciclistas e corredores de aventura”, aponta.

O diagnóstico, conforme salienta doutor Luciano, é feito pelo exame físico, ultrassom e também ressonância magnética. O tratamento das lesões musculares deve ser iniciado o mais precoce possível. “No momento da lesão utilizamos a sigla do inglês PRICE, que significa: Proteção; Repouso; Ice (gelo); Compressão e Elevação”, relata.

O acompanhamento é individualizado conforme a lesão, esporte praticado, sintomas e exames de imagem de controle. Por isso, o retorno ao esporte deve ser realizado de maneira individual e gradativa. De forma geral, os critérios de retorno ao esporte incluem: Arco de movimento completo, sempre comparado ao contra lateral; Força restabelecida em pelo -90% comparado ao outro membro; Treinamento específico da modalidade sem dor – revela o especialista.

Prevenção

  • Treinamento e periodização para determinada modalidade esportiva: em outras palavras, quem joga futebol uma vez por semana estaria em maior risco do que quem joga mais vezes e pratica outros esportes;
  • Melhoria da hidratação previamente ao esporte;
  • Treino de musculação, visando a melhoria da contração excêntrica;
  • Melhor aquecimento antes do esporte, em especial em ambientes frios.


Jessica Castelo

Editora da revista Viver!, uma das mais importantes revistas de saúde do país. A publicação Sul capixaba circula mensalmente há mais de 17 anos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *