Conheça as principais causas de traumas do quadril no idoso

251

Aproximadamente 1,6 milhão de pessoas sofrem fraturas no quadril a cada ano. E esse tipo de trauma, especialmente em idosos, oferece sérios riscos. Segundo o ortopedista Juliano Paradela, especialista em cirurgia do quadril na clínica Ortotrauma, um conjunto de fatores torna o idoso mais suscetível a traumas e fraturas. “A osteoporose, causada por idade e alterações hormonais, principalmente em mulheres após a menopausa, é um grande fator de risco”, elucida.

“A perda do equilíbrio e reflexo comuns da idade, que podem ser agravados pelo uso de certos medicamentos, favorecem as quedas bruscas, pois o idoso não consegue se proteger rapidamente e o trauma acaba sendo mais violento, podendo levar a fraturas do fêmur proximal”, explica o médico.

Conforme explana o especialista, acidentes domésticos são a principal causa de traumas do quadril na terceira idade. “Normalmente o idoso se machuca em casa, ele pode cair ao se levantar da cama à noite, por exemplo, pode abaixar um pouco a pressão ou ter uma vertigem e cair. Ele pode escorregar no banheiro, bem como ao passar por algum nível na casa ou tropeçar no tapete ou chinelo perto da cama”, relata.

Após uma queda, caso o idoso apresente dor no quadril, incapacidade de suportar o próprio peso e encurtamento no membro inferior, com posição de rotação externa e lateral, muito provavelmente o quadril sofreu um trauma. “Nesses casos, logo pensamos na possibilidade de fratura do fêmur proximal”, expõe o ortopedista.

O diagnóstico é confirmado com uma radiografia simples, e em casos de fraturas ocultas, que não aparecem numa radiografia, com ressonância magnética. “O tratamento, salvo quando o paciente não tem condições clínicas, é quase sempre cirúrgico. Realiza-se a fixação da fratura, o que atualmente é feito com hastes intramedulares de forma rápida e com menor sangramento, utilizando pequenas incisões na região do quadril. Em geral, a recuperação é muito boa”, conclui o médico.

Casa segura

Alguns ajustes ajudam a tornar a casa segura para o idoso. Alguns exemplos, conforme orienta doutor Juliano, são: colocar corrimão em locais onde o idoso mais frequenta, principalmente onde há degraus e no box do banheiro; tapetes antiderrapantes; abajur ou interruptor perto da cama; evitar uso de medicamentos controlados que causem tontura e não se levantar bruscamente da cama (ficar alguns minutos sentado antes), além de tratar preventivamente a osteoporose.



A revista Viver! é publicada mensalmente há mais de 17 anos com circulação no Espírito Santo. Trata-se de uma das mais importantes revistas de saúde do Brasil, com centenas de especialistas em prol do dilema "Informação que faz bem".


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *