Entenda os fatores para o aumento de crises alérgicas na primavera

223

A alergista e imunologista Pâmela Pittelkow Silva –
Foto por Brunella Rios

Conhecida como a estação das flores, a primavera sem dúvidas é uma das estações mais belas e aguardadas do ano. Para os alérgicos, porém, trata-se de uma temporada em que as crises surgem com frequência. Isso porque na primavera a floração é responsável por liberar uma grande quantidade de pólen no ar. E é essa substância que ataca a mucosa respiratória e provoca as crises alérgicas.

Além disso, conforme explana doutora Pâmela Pittelkow Silva, Médica Alergista e Imunologista adulto e infantil, as constantes variações de temperatura, a baixa umidade do ar e o excesso de poeira e ácaros nos ambientes contribuem para o desencadeamento da alergia respiratória. “As alergias respiratórias mais comuns nessa época do ano são a rinite e conjuntivite alérgicas. Mas também podem ocorrer episódios de crises de asma”, aponta.

No que diz respeito aos fatores de risco para quadros alérgicos, a especialista afirma que as doenças alérgicas têm um forte componente genético. “Um indivíduo que tem pais portadores de alguma doença alérgica tem maior chance de desenvolver também doenças como rinite, conjuntivite, asma e dermatite atópica”, revela.

Os principais sintomas, conforme salienta doutora Pâmela, são coriza ou obstrução nasal, espirros e prurido (coceira) no nariz. Ela explica ainda que esses sintomas nasais podem vir acompanhados de sintomas oculares, tais como a hiperemia, lacrimejamento e prurido (coceira) ocular. Os portadores de asma podem apresentar tosse seca persistente, falta de ar ou chiado.

Vale ressaltar a importância de consultar um alergista ao notar esses sintomas para um diagnóstico e tratamento corretos. “Frequentemente as pessoas se acostumam com esses sintomas, que podem sim piorar na primavera, mas na maioria dos casos ocorrem em qualquer época do ano. O diagnóstico e tratamento correto melhoram a qualidade de vida”, enfatiza a médica. “Apesar de não haver cura para as alergias respiratórias, existem tratamentos capazes de amenizar o problema”, completa.​

 

Reforce os cuidados

De acordo com doutora Pâmela, além de seguir à risca o tratamento medicamentoso proposto pelo especialista, é de suma importância adotar alguns hábitos para garantir um ambiente livre dos desencadeadores de alergia. Alguns exemplos são:

1 – Limpar a casa somente com pano úmido, pois o uso de vassoura pode espalhar a poeira;

2 – Manter os ambientes arejados, pois a circulação do ar é muito importante para evitar o acúmulo de impurezas no local;

3 – Aumentar a ingestão de líquidos. O consumo de líquido, principalmente água, ajuda a hidratar a garganta e evitar crises alérgicas. Também vale manter o nariz hidratado com a utilização de soro fisiológico.

 

Dra. Pâmela Pittelkow Silva atende em dois endereços em Cachoeiro de Itapemirim: Clínica Vacinar, localizada na Rua Albano Custódio, 9, Gilberto Machado. Telefone: (28) 3521-7644 (28) 99885-0699; Clínica Enfant, localizada na Avenida Francisco Lacerda de Aguiar, 10. Telefone: (28) 98801-0009. Instagram: @drapamela.alergista



Editora da Revista Viver! - Jornalista há mais de 15 anos, atua também na área de Marketing Digital como social media.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *