Terapia musical produz benefícios para crianças autistas

873

Dr. Thiago Gusmão, neurologista infantil

A música tem sido identificada como uma força em pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo, sendo um potencial auxílio terapêutico. Nesse artigo científico relatado, foram avaliadas 51 crianças autistas. 26 delas tiveram entre oito a 12 semanas de música, e as outras 25 crianças sem terapia musical. A intervenção musical envolveu o uso de abordagens improvisadas por meio da música e do ritmo para direcionar a comunicação social. 
Os resultados: Escores de comunicação foram maiores no grupo de música pós-intervenção. A conectividade funcional cerebral no estado de repouso pós-intervenção associada foi maior nos grupos música em comparação aos não-música. A conectividade cerebral pós-intervenção no grupo de música foi relacionada à melhoria da comunicação.
Este estudo fornece a primeira evidência de que oito a 12 semanas de intervenção musical individual podem, de fato, melhorar a comunicação social e a conectividade funcional do cérebro, dando suporte a futuras investigações de modelos neurobiologicamente motivados de intervenções musicais no autismo.



Editora da revista Viver!, uma das mais importantes revistas de saúde do país. A publicação Sul capixaba circula mensalmente há mais de 17 anos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *