Voz hipernasal pode ser minimizada com fonoterapia ou cirurgia

722

A voz anasalada, hipernasal ou ainda rinolalia, caracteriza-se pela dificuldade na emissão de alguns fonemas ou ausência total de certos fonemas. “As fossas nasais atuam como caixa de ressonância durante a fonação – o ar precisa percorrer as fossas nasais e seios paranasais para uma correta produção da voz – de modo que certas afecções da região nasal e/ou oral podem alterar a emissão vocal dando origem a voz anasalada”, expõe a otorrinolaringologista Eliza Bittencourt Chaves, da clínica HECI Mais.

Para que não haja a hipernasalidade, doutora Eliza explica que o fechamento normal da musculatura da parte posterior da boca (região velopalatina) é necessário. “Esse fechamento ocorre, principalmente, com o movimento da musculatura da região para trás e para cima em direção à parede posterior da faringe. Na criança, esse tipo de fechamento se dá pelo estreito contato da musculatura com a adenoide, aderida à parede posterior da faringe”, diz.

Falando sobre a causa, a especialista argumenta que muitas anormalidades estruturais do funcionamento velopalatino podem ser observadas quando estamos diante de uma voz hipernasal. Entre eles, a fenda palatina, vegetações adenoides hipertrofiadas, problemas neurológicos, fechamento velofaríngeo inconsistente, bem como anormalidades de base de crânio ou da coluna cervical. “As obstruções nasais também colaboram para a hipernasalidade, tais como o desvio do septo nasal e rinites”, acrescenta.

A voz é o instrumento de comunicação mais comum e efetivo. Assim, a voz hipernasal pode trazer a impressão de que a pessoa apresenta alterações cognitivas e ou mentais sendo que, na maioria dos casos, isso não ocorre – esclarece a otorrino. “Dessa forma, a hipernasalidade pode influenciar, negativamente, tanto na vida pessoal quanto profissional do indivíduo”, expõe.

 

É possível corrigir?

  • É necessária uma avaliação do otorrinolaringologista para um correto diagnóstico da disfunção que leva à voz anasalada, individualizando caso a caso.
  • Em alguns casos de hipernasalidade, a indicação é cirúrgica, tais como: remoção de vegetações adenoides ou correção do desvio do septo nasal.
  • A fonoterapia também é muito utilizada para aumentar a precisão dos movimentos necessários para a produção dos sons de fala e direcionamento do fluxo aéreo oral para a cavidade bucal, minimizando a hipernasalidade vocal.

 

Foto: Jonathan Lessa



A revista Viver! é publicada mensalmente há mais de 17 anos com circulação no Espírito Santo. Trata-se de uma das mais importantes revistas de saúde do Brasil, com centenas de especialistas em prol do dilema "Informação que faz bem".


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *